A carregar

Mestrados

Instituições Promotoras

NOVA FCSH, CRIA/NOVA FCSH

Descrição

O Mestrado em Antropologia: Culturas Visuais privilegia duas grandes áreas. A primeira relaciona-se com o uso de material visual na pesquisa, apresentação e circulação do conhecimento antropológico. Incide sobre o desenvolvimento e os aspetos práticos e metodológicos do filme etnográfico, do documentarismo encarado como género cinematográfico, e sobre a fotografia e suas estratégias. Os alunos poderão desenvolver este aspeto num atelier prático. A segunda trata do estudo dos sistemas visuais e da cultura visível, ou seja, da produção de conhecimento antropológico e social a partir da análise de imagens produzidas por outros. Partindo da natureza construída das representações visuais, este mestrado faz uma atualização das relações da antropologia com a imagem, abrindo uma nova agenda de interesses, debates e pesquisas em torno das culturas visuais da contemporaneidade.

Os principais objetivos do Mestrado em Antropologia: Culturas Visuais são:

  • a aquisição de competências que permitam compreender as teorias e as práticas da produção e consumo de imagens,
  • a aquisição da capacidade de compreensão dos métodos de pesquisa antropológica que permita a apreciação crítica da produção visual objetificada em diversos contextos históricos e socioculturais,
  • o desenvolvimento de ferramentas críticas e práticas de análise das representações visuais, pesquisando formas visuais de apresentação de resultados em territórios como o do documentário, filme etnográfico, ensaio fotográfico, museologia, etc.

Mais informações

NOVA FCSH

Instituições Promotoras

NOVA FCSH, CRIA NOVA FCSH

Descrição

A especialização Temas Contemporâneos do mestrado em Antropologia tem como foco a produção de conhecimento antropológico sobre múltiplos fenómenos que marcam a contemporaneidade em contextos portugueses, europeus e não europeus.

Os principais objetivos desta especialização são:

1. aquisição de ferramentas teóricas e metodológicas de investigação adequada à complexidade da realidade contemporânea;
2. desenvolvimento de capacidades de aplicação das competências antropológicas em situações profissionais.

Serão privilegiadas, entre outras, as seguintes áreas: Ambiente, Antropologia Aplicada, Cultura Material e Consumos, Direitos Humanos, Migrações, Movimentos Sociais, Património, Turismo, Primatologia e Conservação.

Mais informações

NOVA FCSH

Instituições Promotoras

ISCTE, CRIA-ISCTE

Descrição

Desde sempre comprometida com o diálogo com a diferença cultural, acolhendo no seu seio a tradição das ciências sociais e a das humanidades, a Antropologia é um contexto privilegiado de reflexão sobre questões e desafios colocados na contemporaneidade - entre outros, no domínio das relações internacionais e das migrações, do património e da memória, da ecologia e da sustentabilidade, dos direitos e da cooperação para o desenvolvimento humano.

O Mestrado em Antropologia faculta aos seus estudantes o aprofundamento da capacidade de refletir sobre os propósitos, valores e instrumentos que guiam a disciplina nos diferentes domínios da sua competência, sendo o quadro onde, a partir de contextos locais e transnacionais, se produzem investigações ou trabalhos de projeto relevantes nesses e outros domínios em que o mundo de hoje requer o estabelecimento ou aprofundamento do diálogo intercultural.

O mestrado em Antropologia tem por objetivo geral o desenvolvimento e aprofundamento das competências requeridas para a realização de trabalhos de investigação ou de projetos de natureza aplicada nas áreas de investigação da Antropologia Social e Cultural. Para tal, faculta aos seus estudantes uma formação atualizada no domínio da tradição teórica e metodológica da Antropologia, bem como sobre a expressão contemporânea de fenómenos sociais e culturais sobre os quais a disciplina acumulou ao longo da sua história um importante capital de análise e intervenção. 

Mais informações

ISCTE

Instituições Promotoras

Universidade de Coimbra, CRIA-UC

Descrição

O Mestrado em Antropologia Social e Cultural proporciona um curso de estudos avançados dedicado à análise de questões prementes no mundo contemporâneo – conhecimento técnico-científico, nacionalismos e globalização, saúde global, culturas digitais, museus e património - com base em casos etnográficos contemporâneos diversificados, principalmente Europa e África.

Os principais objetivos do Mestrado em Antropologia Social e Cultural consistem na preparação de profissionais para trabalharem em agências de cooperação local ou internacional, de ensino, de direitos humanos, ou de ação cultural (associações, museus, autarquias, organizações não- governamentais), com ferramentas analíticas e de capacidade de tomada de decisão, capazes de identificar, prevenir e resolver conflitos resultantes do confronto de diferentes experiências culturais.

Mais informações

Universidade de Coimbra

Instituições Promotoras

Universidade de Coimbra, CRIA-UC

Descrição

O Mestrado de Antropologia Médica e Saúde Global tem como principal objetivo fornecer um amplo conhecimento sobre os temas de saúde e doença, considerando-se assim, além da dimensão biológica, os fatores culturais, socioeconómicos (micro/macro), políticos e ecológicos que também influenciam as respostas das populações a problemas de saúde. Pretende-se transmitir um sólido conhecimento que forneça instrumentos que permitem melhor caracterizar os padrões de saúde nos mais diversos contextos – rurais, semiurbanos, urbanos, sociedades em desenvolvimento ou industriais - e assim melhor compreender como as mudanças da globalização têm um impacto local nas vidas e saúde de pessoas e comunidades.

Preparar profissionais com competências para responder aos seguintes problemas na área da saúde:

- saber caracterizar o padrão de saúde em vários contextos sociais, políticos e económicos;
- saber intervir nos problemas de saúde decorrentes de migração das zonas rurais para as zonas urbanas e o consequente aparecimento de novas doenças;
- saber desenvolver estratégias para uma melhor compreensão e resolução dos efeitos da globalização na saúde das pessoas e comunidades;
- saber compreender melhor os valores culturais e crenças sobre a doença;
- saber intervir em contextos políticos das doenças infecciosas, doenças crónicas, estados de malnutrição e violência.

Mais informações

Universidade de Coimbra