O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de crise

Investigador responsável: Antónia Pedroso de Lima
Grupo de investigação: Governação, Políticas e Quotidiano
Tipo de projeto: Projeto nacional
Estado: Concluído
Palavras-chave: Cuidar | Familia e redes interpessoais | Mobilidade e vulnerabilidade | Sustentabilidade e crise


Instituição principal: CRIA
Instituições participantes: n.a.
Financiamento: FCT
Referência: PTDC/CS-ANT/117259/2010
Data de início: 01-02-12

Mais informação: link

Resumo

O conceito de cuidado tem sido utilizado em Antropologia para abordar o tratamento de situações de privação e problemas de saúde por vias que incluem a provisão do Estado aos cidadãos mas não se limitam a ela (Benda-Beckmann 1988). Na existência relacional quotidiana, cuidado é referido em sentido lato para descrever processos e sentimentos entre pessoas que cuidam umas das outras em várias dimensões da vida social e que não se encontram necessariamente em situações de carência. Para o ser humano, ser enquanto pessoa significa estar com outros, cuidar e ser cuidado, pressupor um envolvimento prático e emocional. Cuidado é uma disposição motivacional para exprimir ideologias morais do bem e do justo. É portanto frequentemente através da metáfora do “cuidado” que são expressas preocupações morais acerca de uma existência ideal num mundo com desigualdades profundas e pessoas necessitadas. Cuidado tem também um significado moral: assente na atenção e na dedicação ao outro, tem implícito o reconhecimento do outro por relação à própria existência, tornando-se assim um elemento constitutivo do laço social. Tendo em conta este quadro, e focando o caso português, o projecto propõe uma abordagem inovadora que combina o significado de factores económicos com uma ênfase na fenomenologia. Como respondem as pessoas a situações de crise de modo a criarem para si próprias, para aqueles que as rodeiam e para o mundo em que vivem uma existência sustentável? Como expressam ou criam as práticas de cuidado sentimentos de vergonha, cuidado, dependência, compaixão, solidariedade, moralidade, dignidade e auto-estima? Quais os critérios que regem o impulso para cuidar dos outros: nacionalidade, grupo de pares, parentesco ou ideologia? Como se intersectam o “mercado” (os interesses económicos materiais) com interesses como sejam criar um sentimento de pertença, cumprir um dever moral, adoptar uma posição política, responder a um chamamento religioso, acrescentar sentido à própria vida? Portugal atravessa no presente uma ampla situação de crise económica e social que, apesar de similaridades com contextos internacionais, apresenta especificidades quanto ao peso do Estado Providência. Só a partir dos anos 1970 este se começou a expandir, tanto na economia como na sociedade portuguesa em geral, segurança social, educação, pensões de reforma e cuidados de saúde, e a afectar o modo como a família e relações se desenvolveram nas últimas 3 décadas. A situação está a mudar dramaticamente, com índices crescentes de desemprego, baixos rendimentos familiares, uma significativa população imigrante, e uma crescente população idosa que aumenta a pressão sobre um conjunto de serviços sociais, a par do declínio da população nacional. Confrontadas com a diminuição da capacidade dos sistemas estatais de cuidado continuarem a providenciar este apoio, bem como com cortes de financiamento impostos pela crise económica internacional, as pessoas (re)tomam vias informais para lidar com o problema. Este “estado de emergência” estimula por outro lado a criatividade e a inovação, não só na esfera económica mas também social e moral, as quais são facilmente negligenciadas pelos estudos económicos de situações de crise. A abordagem inovadora deste projecto iluminará as dimensões originais e criativas emergentes em três domínios: 1) relações interpessoais e redes familiares; 2) instituições não-governamentais prestadoras de cuidados; 3) instituições estatais. O cuidado torna-se assim um factor de sustentabilidade económica (provendo a pessoas necessitadas); e de sustentabilidade emocional (bem-estar). As sociedades entram agora numa conjuntura em que a iniciativa pessoal, imbuída da moralidade do “cuidado” e do bem comum, se torna central. As relações interpessoais e as relações motivadas por sentimentos e ideais de bem geral são portanto centrais para a reprodução do futuro do sistema social mundial de mercado económico global em que vivemos. Com este ambicioso estudo etnográfico comparativo, procura-se contribuir para o conhecimento do modo como as práticas informais suportam a economia (sem as separar conceptualmente), como as pessoas se integram em sistemas formais e informais de cuidado e como estas estratégias se tornam eficazes e eficientes. Também importante é evitar uma visão demasiado harmoniosa dos sistemas sociais de cuidado. A nossa abordagem permitirá estudar de perto situações em que um cuidado institucional ou informal é esperado mas retirado ou recusado e em que as expectativas de cuidadores e destinatários de cuidados estão desencontradas ou não coincidem. Investigando as micro-dinâmicas das práticas de cuidado, elucidando tensões, divergências e convergências, o objectivo central é providenciar aos profissionais de ciências sociais e aos decisores os principais desenvolvimentos em filosofia moral, ética, inovação social e práticas na questão cada vez mais relevante do cuidado.

Investigadores do CRIA

IDNomeFunçãoProjTítuloTipo de projetoEstado
pub106*Antónia Pedroso de LimaInvestigador Responsávelproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub102*Manuela Ivone CunhaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub104*Margarida MozInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub109*Clara SaraivaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub110*Cristina SantinhoInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub130*Maria Manuel QuintelaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub139*Miguel Vale de AlmeidaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub149*Paula TogniInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub205*Joana SantosInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub251*Vanda Aparecida da SilvaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub253*Lira DolabellaInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub36*Catarina FroisInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub485*Cristiana Vale PiresInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub50*Elizabeth ChallinorInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub56*Filipa AlvimInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub89*José MaprilInvestigadorproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
pub392*Fernanda Rivas OliveiraBolseiroproj11*O cuidado como factor de sustentabilidade em situações de criseProjeto nacionalConcluído
Outros investigadores

InvestigadorFunçãoInstituiçãoProjOutrosTitulo_PT