Antropologia da Saúde

[Linha Temática]

Coordenação: Maria Manuel Quintela e Cristina Santinho


A linha temática Antropologia da Saúde é dedicada ao desenvolvimento de estudos antropológicos sobre a saúde, doença e sofrimento que contribuam para a compreensão dos processos relativos à doença, ao tratamento e ao cuidado, em termos de políticas, práticas e experiências. O atual contexto social português e Europeu está a passar por profundas transformações, tanto em termos de políticas públicas no campo da saúde, como em relação à crise económica e consequente aumento da pobreza. Novos perfis epidemiológicos têm surgido com o reaparecimento de doenças e o surgimento de novas vulnerabilidades. Novas práticas terapêuticas e relações também têm sido produzidas entre os sistemas de cuidados de saúde (formais e informais) e aqueles que buscam o alívio do sofrimento.

Esta linha temática tem como finalidade: a) desenvolver estudos antropológicos sobre a saúde em Portugal e estabelecer redes nacionais e internacionais de intercâmbio e produção científica; b) explorar as relações entre saúde e cultura nas experiências de diferentes grupos sociais, examinando as interações entre o risco, o sofrimento e mal-estar com fatores sociais como pobreza, racismo, género, migração, políticas de saúde e exclusão social; c) refletir sobre o cuidado em saúde.

Esta linha é particularmente orientada para o desenvolvimento de atividades de investigação e a promoção de resultados científicos com efeitos práticos nos cuidados de saúde em contextos contemporâneos. Em termos do debate antropológico, um dos objetivos é refletir sobre as principais questões teóricas e metodológicas através da realização de pesquisa etnográfica no campo da saúde. Questões locais e internacionais no campo da saúde serão analisadas, contribuindo para debates antropológicos mais amplos e para apoiar atividades de investigação e pesquisa-ação em áreas como envelhecimento, maternidade, terapias, acesso e gerenciamento de medicamentos e cuidados de saúde.

A linha está aberta a todos os membros CRIA dos quatro grupos de pesquisa, bem como de pesquisadores de outras instituições e profissionais que trabalhem nos campos relevantes relacionadas com a saúde. Pretende ainda fomentar todo o tipo de iniciativas, apoio a pesquisadores, estudantes e projetos de investigação, promovendo o diálogo com profissionais de saúde e cientistas de ciências sociais e de ciências da saúde, para que a investigação possa ser relevante para as políticas de saúde e para o conhecimento da sociedade portuguesa.