encontros_cientificos Encontros científicos | Scientific meetings fora_academia Fora da academia | Outside the academy

A carregar Eventos

« Todas as iniciativas

  • Este evento já decorreu.

Leões predadores/protetores /bens: percepções em transição da relação entre humanos e fauna selvagem no sul do Quénia (Joana Roque de Pinho)

14/03/2016, 18:00 - 20:00

“Leões predadores/protetores /bens: percepções em transição da relação entre humanos e fauna selvagem no sul do Quénia”

Joana Roque de Pinho (CEI-IUL)

14 de março, 18h-20h | sala C202, Ed. II | ISCTE-IUL


Resumo

Os pastores massai (Quénia e Tanzânia)) consideram os leões, predadores do seu gado, como seus inimigos. Todavia, consideram-nos também protetores das mulheres e das crianças. Nos dois casos, os leões são vistos como seres detentores de intenção e agência. Nesta apresentação, narrativas massai – sobre leões que protegem os membros mais fracos da sociedade – e explicações de cientistas sobre o comportamento desses leões serão o ponto de partida para discutir e analisar transformações nas percepções das relações entre humanos e fauna selvagem nas zonas de pastorícia massai do sul do Quénia, nos arredores do parque nacional de Amboseli. Usando modelos culturais como enquadramento teórico, irei mostrar que pastores e conservacionistas detêm modelos cognitivos contrastantes e transitórios relativamente às relações entre humanos e fauna selvagem no ecosisema de Amboseli. Os modelos massai refletem mudanças socio-económicas no ecosistema, tais como a privatização da terra, e a prática conservacionista. Por sua vez, os modelos cognitivos dos conservacionistas refletem a sua melhor compreensão das dinâmicas ecológicas dos sistemas aridos e semi-aridos de pastorícia, assim como da necessidade, por parte da fauna selvagem, em aceder a pastagens geridas pelos pastores massai. À medida que os pastores massai assimilam conceitos derivados do discurso e da practica conservacionista (por exemplo, o valor económico da fauna selvagem), têm-se afastado de um modelo ontológico de coexistência que implica ver os animais selvagens como agentes, sem valor económico, e com o direito de viver na mesma terra que as pessoas e o gado por serem criaturas de Enkai (Deus); e aproximando-se mais de um modelo dicotómico ou antagónico que valoriza económicamente os animais selvagens, que agora deveriam habitar exclusivamente nas “suas” áreas reservadas (i.e., as áreas protegidas). Esta percepção maasai presente entre os mais jóvens, paradoxalmente, vem contradizer as políticas actuais de conservação, que têm por objectivo manter a mobilidade da fauna selvagem na paisagem; e explica assim uma fonte do conflito entre pastores e autoridades da conservação. Conflitos esses que, recentemente, se têm manifestado numa revolta contra as autoridades da conservação e mortes de leões e outros animais “carismáticos”. Análises como esta, da forma como as percepções da coexistência entre humanos e fauna selvagem evoluem, são essenciais para se chegar à raíz dos conflitos existentes entre os interesses da conservação e as preocupações de quem depende dos recusos naturais.


Nota biográfica

Joana Roque de Pinho, investigadora integradada do Centro de Estudos Internacionais (CEI-IUL) e bolseira de pós-doutoramento (FCT), é ecologista e antropóloga ambiental (PhD, Colorado State University, 2009). No cruzamento entre a antropologia ambiental aplicada, a antropologia cognitiva e a ecologia política, a sua investigação tem focado em alterações em sistemas socio-ecológicos e o modo como pastores no Quénia e agricultores na Guiné-Bissau percecionam e respondem a essas alterações. Em projectos de investigação mais recentes sobre o conhecimento local das alterações climáticas, políticas de conservação da biodiversidade e conflitos por acesso aos recursos naturais, tem procurado envolver membros dessas comunidades rurais na investigação através de métodos de investigação participativa audiovisuais, facilitando assim a partilha do seu conhecimento e das suas experiências com alterações ambientais com o público e decisores políticos.
[Mais info]


joana-cartaz

Detalhes

Data:
14/03/2016
Hora:
18:00 - 20:00
Categorias de Evento:
,

Organização

CRIA

Local

ISCTE-IUL
Av. das Forças Armadas 376
Lisboa, 1600-077 Portugal
+ Mapa do Google